TJDF mantém condenação de Arruda


José Roberto Arruda tem condenação mantida pelo TJDF. Na foto com sua esposa e atual ministra de Bolsonaro, Flávia Arruda - (Imagem: Divulgação)

O Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT) manteve a condenação de José Roberto Arruda e outros três réus do processo resultante da operação Caixa de Pandora.


Leia também: PSB questiona Ibaneis: Por que temer a CPI da pandemia no DF?


A 3ª turma criminal do tribunal fixou uma pena de 5 anos e 20 dias de prisão, em regime semiaberto, pelo crime de corrupção de testemunha. De acordo com a sentença, o ex-governador do DF e seus comparsas agiram com“interesses escusos com o fim de ludibriar o Poder Judiciário”.


Entenda o caso


Em 2010, Arruda foi preso na Superintendência da Polícia Federal por ter enviado interlocutores até o jornalista Edson Sombra para lhe oferecer R$ 200 mil. Em troca, Sombra deveria afirmar falsamente à polícia que os acontecimentos revelados pela Caixa de Pandora teriam sido criados por Durval Barbosa com intuito de prejudicar Arruda.


Leia também: TCU questiona irregularidades do GDF em uso de dinheiro da União


De acordo com as investigações, o dinheiro foi entregue ao jornalista em fevereiro de 2010 pelo então conselheiro do Metrô/DF, Antonio Bento da Silva. Porém, toda a transação foi filmada e acompanhada pela polícia, que prendeu Antonio em flagrante e, o ex-governador, oito dias depois.


Na ação, os promotores do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do MPDFT deixam claro que não há dúvidas sobre a natureza criminosa do grupo.


“As provas dos fatos são irrefutáveis e a condenação corresponde ao anseio social de punição dos agentes públicos que traem a confiança da população”

O ex-deputado distrital Geraldo Naves e Rodrigo Diniz Arantes também foram condenados.





9 visualizações0 comentário