Ter um site próprio ajuda empresas a serem encontradas na internet


Imagem: Reprodução

Por Tainã Gomes de Matos, Socialismo Criativo


Apesar da pandemia da Covid-19, a economia brasileira tem mostrado sinais de recuperação, principalmente no que diz respeito ao comércio eletrônico. Empresas que tem um site próprio podem se diferenciar no mercado online.


A avaliação mais recente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) projeta um crescimento de 4,8% para o PIB nacional este ano – além de uma alta de 2% para 2022.


O e-commerce tem um papel fundamental nesta evolução. O comércio eletrônico teve um crescimento estimado em 18% no ano passado, segundo a Associação Brasileira de E-commerce, atingindo pelo menos R$ 106 bilhões em receita. Com a economia em recuperação, o panorama pode ser ainda melhor para os próximos meses.

Site reforça a presença online

Para aproveitar a ascensão deste setor, é preciso que as empresas se adequem às ferramentas digitais para serem encontradas na internet. Uma pesquisa da Neotrust, realizada com os dados de compra no comércio eletrônico durante o primeiro trimestre de 2021, apontou que foram realizadas 78,5 milhões de compras online no país – um aumento de 57,4% em comparação ao mesmo período do ano passado e que resultou em um faturamento de R$ 35,2 bilhões. Ou seja, quem não tem uma presença online forte, pode perder oportunidades.


Ter um site é a forma mais simples de ser encontrado hoje na internet. O principal canal de busca que uma pessoa usa quando está curiosa sobre qualquer assunto é o Google.


Se a pesquisa for sobre uma empresa, é importante que se tenha um bom e otimizado site para que o primeiro resultado da pesquisa seja com o link para o site. Agora, se a pesquisa for sobre o problema que o cidadão enfrenta, é importante que você tenha bons conteúdos e um bom blog para que sua empresa esteja à frente dos concorrentes.

Ranqueamento do Google

Entre os benefícios de se ter um site com bom ranqueamento no Google, podemos destacar os principais:

  • proporciona maior visibilidade no mercado;

  • possibilita aumentar o tráfego no site;

  • gera reconhecimento de sua marca perante o público;

  • aumenta a confiabilidade do seu cliente em sua empresa;

  • cria novas oportunidades de negócios;

Storytelling

No universo do marketing, muito se fala em narrativa e storytelling. Em resumo, é quando a marca ou empresa tem o controle de como sua história é contada online e como os clientes podem percebê-la. As redes sociais podem ajudar nisso, mas só com um endereço próprio na web as empresas podem ter total controle da sua narrativa online.


Leia também: O mundo geek, a apropriação capitalista do estilo ‘nerd’ e as oportunidades da economia criativa


O gerente regional da GoDaddy no Brasil, Beto Santos, destaca a importância de um site para que as empresas não fiquem reféns das grandes corporações da internet.


“As redes sociais são uma ferramenta de marketing importante, mas você não é dono delas. Se amanhã o Instagram, Facebook ou Twitter mudar seus termos de uso, seu negócio terá que se adaptar”, alerta Beto.


De acordo com um levantamento do Sebrae, 40% das empresas têm perfis em redes sociais e 70% usam WhatsApp, mas somente 27% possuem site (e domínio) próprio. Ao mesmo tempo, a dependência da web tradicional ainda é grande: 63% desses empresários acessam a internet para pesquisar preços e fornecedores, e 54% acessam para comprar insumos.

Autorreforma aposta na criatividade

Em sua Autorreforma, o PSB defende a necessidade de um projeto nacional de desenvolvimento em que a conectividade dos setores está presente. A base desse planejamento a curto, médio e longo prazo tem a inovação e a economia criativa como elementos indispensáveis – do renascimento criativo da indústria que necessita de inovação tecnológica como nos serviços prestados à toda a população.

“Um planejamento estratégico moderno e inovador inserirá nossas potencialidades na economia da era do conhecimento. Nele compreende-se que Estado e Mercado não são entes opostos, mas complementares, como já assim se configuram em países predominantemente socialistas e em países capitalistas” Autorreforma do PSB

“Conhecimento e inovação são frutos da mesma árvore, filhos de uma mesma família, a ciência. Essa é a mãe da educação, produtora do pensamento crítico e da inteligência, desenvolvedora de sensibilidades, estimuladora da pesquisa, da curiosidade e da investigação, cujos frutos e acúmulos somados possibilitam evoluções civilizatórias na direção do desenvolvimento social, cultural e econômico”, defendem os socialistas em sua Autorreforma.


O entendimento é que inovação é um processo criativo, revolucionário e transformador que possibilita rupturas parciais ou completas, impactando o modo de vida e o desenvolvimento das pessoas, das sociedades e das nações.


“A diversidade dos significados de inovação manifesta-se pela abrangência de sua aplicação como vetor de desenvolvimento humano, da formação de capital e da melhoria da qualidade de vida”, afirma o documento socialista.


Com informações do Olhar Digital

1 visualização0 comentário