Tabata explica erro na votação de PL que permite a bancos tomar casa

Em mais um golpe de Jair Bolsonaro (PL) e da base governista contra a população brasileira, a Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei (PL) 4188/21, considerado como prioridade pelo Executivo.


O projeto prevê mudanças para oferta de crédito, permitindo que o mesmo imóvel possa servir de garantia para mais de um empréstimo. Com isso, facilitará que uma família, inadimplente por estar em situação financeira delicada, perca sua casa para os bancos.

Porém, um dos votos relacionados ao projeto chamou atenção: o da parlamentar Tabata Amaral (PSB/SP), que votou contra o mérito da proposta, mas deu um voto “sim” em um dos destaques, o que foi visto como uma posição favorável à lei e causou polêmica nas redes sociais.


Leia também: Tabata apoia política para reduzir atraso educacional decorrente da pandemia

De acordo com a socialista, o voto foi contra o mérito do projeto “por entender ser absurda a possibilidade de penhora de um bem que é também a única residência de uma família”. O erro de orientação diz respeito ao destaque do PSOL – para o qual ela garante já ter enviado um ofício com pedido de correção -, mas a parlamentar votou pela retirada do artigo 14 em outros destaques semelhantes, além de ter votado a favor “de todos os requerimentos de obstrução”.


“Em cada sessão, fazemos dezenas de votações sobre supressão e manutenção de trechos dos PLs. Eu errei nessa ocasião, mas foi um erro de execução, não de valores. Por isso faço questão de esclarecer publicamente minha posição sobre o projeto”, explicou a socialista.

Tabata Amaral afirmou que “houve um erro na orientação da minha votação em um dos muitos destaques sobre esse tema. Já pedi a correção e seguirei trabalhando para que esse PL não passe no Senado”, completou.





Segundo Tabata, o erro aconteceu na hora de votar três destaques que retiravam do projeto de lei justamente a parte que gerou mais polêmica.

“Em dois deles, eu votei corretamente. Mas, no outro, não. Peço desculpas. Eu já enviei um ofício à Câmara retificando meu voto, mas é importante dizer: eu sou humana e, assim como vocês, vou infelizmente cometer erros técnicos. O que nunca exigiu é um erro contra os meus valores”, afirmou Amaral.
1 visualização0 comentário