• psb40df

Socialistas lamentam a morte da jornalista Cristiana Lôbo


(Imagem: Socialismo Criativo)

A jornalista, colunista e comentarista de política Cristiana Lôbo morreu nesta quinta-feira (11), em decorrência de um mieloma múltiplo, do qual se tratava havia alguns anos, agravado por uma pneumonia contraída nos últimos dias. Ela tinha 64 anos e estava internada no hospital Albert Einstein, em São Paulo. Ela deixa marido, Murilo, dois filhos, Gustavo e Bárbara, e dois netos, Antônio e Miguel.


Socialistas manifestaram pesar pela morte de Cristiana Lôbo. O líder da Oposição, deputado federal Alessandro Molon (PSB-RJ), lamentou o falecimento da jornalista, ressaltando que Cristiana era querida por todos e que nos deixa cedo demais.


O líder da Minoria, Marcelo Freixo (PSB-RJ), classificou a recente partida de Cristiana Lôbo como “uma grande perda para o jornalismo e para o país”.


A deputada Lídice da Mata (PSB-BA) lamentou a morte prematura de Cristiana Lôbo.


O deputado Camilo Capiberibe (PSB-AP) publicou uma nota de pesar no Twitter. A nota ressaltou que a presença constante de Cristiana Lôbo nos salões e corredores do Congresso fará falta.


O deputado Tadeu Alencar (PSB-PE) pontuou que “a partida de Cristiana Lôbo é uma perda inestimável para o jornalismo brasileiro” e que a jornalista teve “uma carreira talhada pela seriedade, pelo comprometimento com a notícia e por um talento cativante”.


O deputado Rodrigo Agostinho (PSB-SP) prestou sua homenagem à Cristiana Lôbo, destacando que a jornalista fora uma profissional exemplar, ética e correta.


O ex-governador do Distrito Federal Rodrigo Rollemberg também lamentou a morte de Cristiana Lôbo. Rollemberg afirmou que Cristiana era além de grande jornalista e comentarista, era uma ótima figura humana.

A carreira de Cristiana Lôbo

Cristiana atuou no jornalismo por mais de 30 anos. Começou a carreira cobrindo a política do estado de Goiás, até se mudar para Brasília.

Contratada pelo jornal “O Globo”, foi setorista do Ministério da Saúde – época em que viu ser criada a carteira de vacinação. Acompanhou de perto também as decisões do Ministério da Educação.

Ainda no “Globo”, trabalhou na coluna Panorama Político.

Depois de 13 anos no jornal, assumiu a coluna política do jornal o “Estado de S. Paulo”.

A estreia na televisão foi na GloboNews, em março de 1997.

Naquele mês, passou a integrar o time de comentaristas do Jornal das Dez – analisando os principais fatos da política e os bastidores do poder. E marcou presença nos telejornais da casa.

Comandou também o programa Fatos e Versões e a coluna os Bastidores da Política, no G1.

Cristiana Lôbo também integrou as “Meninas do Jô”, quadro do programa de Jô Soares na TV Globo que reúnia jornalistas para debater a política no país. O quadro, que começou em 2006, fez grande sucesso e ajudou a popularizar as discussões sobre política no Brasil.

Entre os jornalistas que cobrem e cobriram a política na Praça dos Três Poderes nas últimas décadas, Cristiana Lôbo é vista como uma referência.

Testemunha ocular da política brasileira

Um dos momentos mais intensos da carreira de Cristiana Lôbo foi a cobertura da campanha Diretas Já, em 1984, que pedia a reabertura democrática no país, depois de duas décadas de ditadura militar.


“Naquele tempo, não existia celular, nem internet, a única coisa que havia era um telefone que você apertava e a redação ouvia. Eles pediam 15 linhas, e a gente tinha de fazer o retrato daquele momento”, recordou Cristiana.


A jornalista cobriu momentos decisivos da história do país nas últimas quatro décadas. Depois das Diretas, veio o governo do ex-presidente José Sarney. Cristiana lembra que foi um período de muito trabalho.


“No dia em que foi editado o Plano Cruzado, de reforma da economia, eu tinha voltado da minha licença-maternidade. Saí de casa às 7h, voltei às 23h. Cheguei a ter febre. E nesse dia o bebê não mamou”, contou ao Memória Globo.


Ela se destacou também na cobertura da passagem de governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.


“Teve um dia em que fiquei no ar de manhã até a noite, porque a gente ia descobrindo quem é que saía e quem entrava. Era o paraíso para nós: notícia o dia inteiro. Para mim, melhor do que isso, só os filhos!”, disse Cristiana.

Mieloma

O mieloma múltiplo é o câncer de um tipo de células da medula óssea chamadas de plasmócitos, responsáveis pela produção de anticorpos que combatem vírus e bactérias.

No mieloma múltiplo, os plasmócitos são anormais e se multiplicam rapidamente, comprometendo a produção das outras células do sangue.


Com informações do G1


2 visualizações0 comentário