Siqueira: País está em guerra e precisa de união para vencer ‘inimigo declarado’ da democracia

O presidente do PSB, Carlos Siqueira comparou a atual conjuntura do país com uma situação de guerra e disse que a união de Lula e Alckmin simboliza a coesão necessária para enfrentar esse momento.


“Essa unidade de Lula e Alckmin gera um simbolismo muito grande. Quando o país está em guerra, é preciso coesionar todas as forças políticas e sociais. Nós estamos numa guerra (de Bolsonaro) contra a democracia”, afirmou.


Leia também: No Senado, Carlos Siqueira debate prestação de contas eleitorais

“O presidente Bolsonaro, desde a sua candidatura, e depois de quase quatro anos de governo, é o inimigo da democracia e o inimigo declarado. A gente considera como se fosse uma guerra que temos de vencer. E para vencer, você tem que unir os diferentes. Não se faz coligação e não se faz uma frente política unindo pessoas que pensam da mesma forma”, avaliou Siqueira.

Na entrevista, o presidente do PSB elogiou os discursos do ex-presidente Lula e do ex-governador Geraldo Alckmin no lançamento oficial da chapa às eleições de 2022, no último sábado (7), em São Paulo.


Leia também: Congresso do PSB reelege Carlos Siqueira e aprova Autorreforma

Ele disse também que o PSB, principal aliado à esquerda do PT na eleição nacional, quer contribuir com propostas para o programa de governo dessa frente.


Ainda segundo Siqueira, a pré-candidatura de Márcio França ao governo de São Paulo é a que reúne mais condições de ampliar para o centro político e, assim, permitir uma vitória da esquerda e de Lula no maior colégio eleitoral do país.


*Com informações da Assessoria de Comunicação do PSB Nacional

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo