Presidente da Câmara apoia golpe contra esquerda

Por Socialismo Criativo


O rápido prosseguimento das ações movidas contra o deputado federal Glauber Braga (PSOL-RJ) e a deputada federal Gleisi Hoffmann (PT-PR) – presidenta nacional do PT – no Conselho de Ética da Câmara dos Deputados contraria o histórico de lentidão com que o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), conduz processos semelhantes contra bolsonaristas e seus aliados.


A ação movida contra Glauber foi encaminhada no dia seguinte à sua apresentação, algo inédito. O processo tem a ver com o embate do psolista com Lira no dia 31. O presidente da Câmara cortou a fala do deputado e chegou a ameaçar retirá-lo à força do plenário após ter sido chamado de “ditador”.


Já o processo contra Gleisi demorou apenas 5 dias para ser encaminhado ao Conselho de Ética. O presidente do PL, Valdemar Costa Neto, pediu a cassação da presidenta do PT em razão de um vídeo em que ela aparece reclamando de bolsonaristas que faziam provocações contra Lula.


Levantamento recebido pela Fórum com as últimas 24 proposições encaminhadas por Lira ao Conselho de Ética mostra que oito as ações movidas contra apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (PL) demoraram mais de um ano serem encaminhadas por Lira. Outras cinco tardaram mais de 10 meses.


O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP), filho do presidente Jair Bolsonaro, foi o principal beneficiado com a demora de Lira em acionar o Conselho de Ética. Seis processos movidos contra ele só foram liberados no dia 12 de maio de 2022, quando o presidente da Câmara encaminhou 22 ações contra parlamentares de uma só vez. Os dois primeiros processos contra Eduardo foram apresentados por PT e PDT em março de 2021.


Leia mais: Bolsonaro quer usar “jeitinho” para ampliar recursos antes das eleições


Essa liberação só aconteceu após a deputada federal Erika Kokay (PT-DF) apresentar questão de ordem, no dia 22 de março de 2022, cobrando a tramitação dos processos, encaminhados vinte dias depois. Segundo a parlamentar, havia 19 representações movidas pelo PT engavetadas.


“Há aqui dezenas de requerimentos solicitando apurações no Conselho de Ética de quebra de decoro parlamentar, e o Presidente desta Casa simplesmente segura esses requerimentos. Ele simplesmente os segura! Dane-se o Regimento! Dane-se! Dane-se o processo democrático! Dane-se a responsabilidade desta Casa de apurar a quebra de decoro contra ela mesma. Dane-se! O Presidente da Casa segura os requerimentos – segura! Nós temos representações que foram protocoladas em maio de 2020. Dane-se! Dane-se o Regimento!”, disse Kokay no plenário da Câmara, na ocasião.


As deputadas Bia Kicis (PL-DF) e Carla Zambelli (PL-SP), fiéis escudeiras de Bolsonaro, também estão entre as que tiveram ações travadas por mais de um ano. PT e PSOL apresentaram representações contra elas no dia 30 de março de 2021. Wilson Santiago (Republicanos-PB) e Soraya Manato (PTB-ES) também foram poupados por Lira por mais de um ano.


Processos contra os bolsonaristas Éder Mauro (PL-PA) e Carlos Jordy (PL-RJ), apresentados por PT e PSOL em 20 de maio de 2021, ficaram próximos de completar um ano engavetados.


Entre as 22 representações encaminhadas em 12 de maio, duas afetavam deputadas do campo progressista – Jandira Feghali (PCdoB-RJ) e Talíria Petrone (PSOL-RJ).

1 visualização0 comentário