O brasileiro real é Ariano

Na semana que passou, o Partido Socialista Brasileiro (PSB) realizou, em Paraty (RJ), o primeiro de uma série de eventos anuais em razão da comemoração dos 100 anos de Ariano Suassuna, este grande e célebre escritor brasileiro, que foi um dos fundadores da nossa agremiação socialista, e encerrou sua participação na política brasileira como seu Presidente de Honra. Ariano tinha uma paixão: o povo brasileiro. Dedicou sua vida inteira a ser voz da luta por uma sociedade mais justa, igualitária, orgulhosa do Brasil e dos brasileiros.


Paraibano, boa parte de sua vivência se deu no sertão nordestino, que ele costumava chamar de Brasil Real. Mais tarde, em revisão às suas próprias teses, percebeu que o termo Brasil Real era extensivo às comunidades pobres presentes também nos grandes centros urbanos. Para Ariano, o Brasil era um constante embate entre o Brasil Real e o Brasil Oficial. Com humor e elementos da cultura popular nordestina, ele tecia obras com críticas sociais incisivas, extremamente identificadas com as doutrinas socialistas cristãs. “A meu ver, enquanto houver um miserável, um homem com fome, o sonho socialista continua”, disse uma vez. Esse realista esperançoso, em outra oportunidade, pontuou que se inspirava no pensador francês Jacques Maritain, pois, assim como ele, acreditava que o Brasil estava destinado a realizar o mais belo sonho no campo político: realizar um regime em que pela primeira vez estivessem juntas a justiça e a liberdade. Certa feita, em entrevista ao programa Roda Viva, realçou que, em razão das injustiças, estava presenciando coisas imperdoáveis na política brasileira, a exemplo da privatização de empresas públicas essenciais à soberania do país e a tentativa de extinguir a SUDENE.


Ariano era um patriota contundente, grande defensor do tecido cultural brasileiro, especialmente o nordestino, e totalmente avesso à inserção de anglicismos em nossa cultura. “Não troco o meu oxente pelo ok de ninguém!”, repetia sempre. A cultura do nordeste, uma das facetas da expressão brasileira, e onde também surgiram Josué Montello, Graciliano Ramos, Jorge Amado, Raquel de Queiroz e tantos outros, é rica e singular, resultado de criação popular com os pés fincados no chão árido e ao mesmo tempo tão frutífero. É a soma de música, teatro, poesia e dança, cuja maior manifestação são as festas do período junino, que agora estamos vivenciando com tanta alegria. É essa cultura que nos define e de onde surgem as marcas capazes de apontar um brasileiro em qualquer canto do mundo.


Leia também: Paraty abre comemorações para os100 anos de Ariano Suassuna


Forte e altiva, orgulhosa de si e de suas manifestações, a cultura nordestina também é alvo de enfrentamento político. Por exemplo, nos dias atuais são constantes os ataques do presidente da República e de seus asseclas difundindo graves preconceitos regionais, para com o povo nordestino e suas tradições. Tempos atrás, na tentativa de ofender, Bolsonaro chamou governadores nordestinos de “paraíbas”, como se fosse ofensa ser da terra de onde saíram Ariano Suassuna e Celso Furtado. De lá para cá, mais termos foram usados para descrever o povo nordestino, como “pau de arara”, “cabeças chatas” e outros que não valem a pena ser relembrados.


Esse mesmo presidente bate continência à bandeira dos Estados Unidos, tenta a todo custo acabar com a Amazônia e os povos que nela vivem, é adepto de práticas indecorosas, organiza milícias para atacar instituições, ri de brasileiros no leito de morte e segue uma sanha para privatizar empresas públicas superavitárias. Trago esses tristes destaques para comprovar uma afirmação: Ariano Suassuna é uma nítida representação do sentimento anti-bolsonarista. Ele defendeu, a vida inteira, aquilo que Bolsonaro rechaça: orgulho autêntico do Brasil e do seu povo, bem como sentimentos de fraternidade, solidariedade, humanismo.


Ariano é sinônimo de resistência. Não deve ser esquecido jamais, pois inspira, todos os dias, o Brasil Real a lutar por dias melhores. Sigamos, nesse ano desafiador para todos nós, os conselhos de Ariano: “Tenho duas armas para lutar contra o desespero, contra a tristeza e até contra a morte: o riso a cavalo e o galope do sonho. É com isso que enfrento essa dura e fascinante tarefa de viver.”


*Por Flávio Dino, ex-governador do Maranhão

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo