Ministro da Educação diz que Brasil tem excesso de universidades e socialistas reagem


(Imagem: Socialismo Criativo)

Parlamentares socialistas criticaram as declarações do ministro da Educação, Milton Ribeiro, ocorridas durante um evento evangélico realizado na Igreja Batista Central, em Brasília, nesta terça-feira (5). As falas do ministro sobre acesso à Educação são permeadas por preconceito e tornam Ribeiro inapto ao cargo, dizem os deputados.


O deputado federal Alessandro Molon (PSB-RJ), líder da Oposição na Câmara, lembrou que o ministro já declarou que as universidade não devem se popularizar e que crianças portadoras de deficiência atrapalham o desenvolvimento de outras crianças quando presentes em salas regulares do sistema de Educação.


Para o parlamentar, o ministro da Educação trabalha contra os preceitos da Constituição.


Bira do Pindaré (PSB-AP) ressaltou que o ministro reflete a política ideológica do governo federal, que visa excluir pessoas do acesso universal à Educação.


Ministro tem histórico de preconceito

Milton Ribeiro, que também é pastor, participou do Simpósio Cidadania Cristã, promovido pela Confederação dos Conselhos de Pastores do Brasil (Conceab). De acordo com informações divulgadas com exclusividade pelo site Metrópoles, o ministro defendeu que “o alicerce na educação é a alfabetização” e disse que “meninos chegam para fazer engenharia sem saber regra de três.


Leia também: Milton Ribeiro: “ser doutor é bom, mas Brasil não dá oportunidade”


Em 9 de agosto, em entrevista ao programa Novo Sem Censura, da TV Brasil, Ribeiro polemizou ao falar que a inclusão de alunos com necessidades especiais “atrapalha” o aprendizado de outras crianças sem a mesma condição. Nessa mesma entrevista, Ribeiro disse que a “universidade deveria ser para poucos, nesse sentido de ser útil à sociedade”.

Ribeiro também já falou sobre a formação acadêmica no Brasil ao afirmar que “ser doutor é bom, mas o Brasil não dá oportunidade”, referindo-se à falta de vagas para profissionais com título de doutorado.


Com informações do Poder 360 e Metrópoles

1 visualização0 comentário