Liderado por Rodrigo Dias, PSB realiza convenção política no DF


Imagem: Tigra Lab


O Partido Socialista Brasileiro do Distrito Federal (PSB-DF) realizou, nesse domingo (31), o Congresso Extraordinário Regional, equivalente à Convenção Partidária, onde foram escolhidos os candidatos às eleições gerais de 2022. A sigla, que, no DF, é liderada por Rodrigo Dias, recebeu pré-candidatos e articulou a eleição de deputados distritais e federais. A convenção aconteceu no auditório da Câmara Legislativa do DF (CLDF) e contou com a presença, além dos pré-candidatos, de filiados e de apoiadores.


Durante a deliberação ficou decidido que quem trava a batalha contra Ibaneis Rocha (MDB) para chefe do Buriti é o educador e ex-secretário de Educação do DF, Rafael Parente, candidato a governador. A miséria e a desigualdade foram os focos principais do seu discurso. “Acreditamos em um DF que não distingue as pessoas. Acreditamos que vamos conquistar um DF sem fome, depois de sermos considerados uma das regiões onde essa situação mais cresceu”, afirmou.

“Temos famílias que não conseguem se alimentar nem nos restaurantes comunitários, mães que raspam o prato para alimentar seus filhos. Não dormiremos em paz enquanto tiver brasiliense passando fome”, pontuou Parente.

O candidato prometeu um governo democrático e construído em conjunto com a população, “com políticas criadas com a sociedade e não apenas para ela”, argumentou, enfatizando que teria como prioridade também a educação que, de acordo com ele, será integral e inclusiva.


Ao tomar a fala, o coordenador da campanha de Lula no DF, Geraldo Magela, destacou o preparo do candidato ao Executivo local. “Quando olhamos as pesquisas constatamos que temos fortes chances de ganhar essa eleição” salientou. “Nao conhecia o Rafael, conheci esse ano. Achava um tanto estranho alguém tao jovem se colocar como candidato ao governo. Mas ele tem a ousadia característica da juventude. Hoje eu tenho convicção do preparo do Rafael para esse cargo”, completou.


O partido defende pautas como a assistência aos mais necessitados, mulheres e pessoas com deficiência, além da valorização de professores e educadores e a causa LGBTQIA+. “Nossa militância precisa ser ouvida. Estamos aqui para acabar com todas as injustiças que ainda vivemos”, declarou Allysson Prata, secretário distrital do segmento LGBT do PSB DF.


A desigualdade social e as críticas ao atual presidente da república também foram pauta na deliberação. “Eu não quero um país que prefere os clubes de tiro à bibliotecas, que passa vergonha em frente aos outros países e não prioriza a diminuição da equidade social”, defendeu o candidato a deputado federal, professor Israel. “merecemos ser referência”, concluiu.


Ainda sem candidato ao Senado e para vice-governador, a chapa tem Luís Inácio Lula da Silva (PT) como aposta para a presidência da República. A sigla conta ainda com Rodrigo Rollemberg como candidato a deputado federal. “É muito emocionante viver esse momento novamente. Esse é o partido que mais conta com diversidade na chapa. Fico muito feliz com a evolução desse partido, reflexo de muitos anos de construção”, comemorou o candidato.

“Somos o partido com maior representatividade no campo progressista. Não admitimos cidadãos passando fome nas ruas, debaixo de pontes, dormindo na rodoviária, assim como não aceitamos as pessoas passando dificuldades com a saúde pública. Nós temos que entender que temos uma missão com as próximas gerações”, finalizou Rollemberg.

Fonte: Correio Braziliense

4 visualizações0 comentário