Senado aprova PL que estabelece uso de questionário para medir risco de violência doméstica


O plenário do Senado aprovou por unanimidade o Projeto de Lei 6298/19 que visa uniformizar o atendimento à mulher e medir o grau de risco das vítimas de violência doméstica. Com relatoria da senadora Leila Barros (PSB-DF), o projeto determina que as delegacias de polícia apliquem o Formulário Nacional de Risco e Proteção à Vida durante o atendimento à mulher vítima de violência doméstica. Outros órgãos públicos ou privados poderão aplicar também o questionário caso desejem.


Leia também: Ação do PSB: Rosa Weber suspende trechos de decreto de armas


A senadora Leila Barros destacou que o primeiro atendimento dado à vítima mulher é essencial para que ela tome a decisão de permanecer na relação violenta ou procurar novos caminhos para sua vida.

“O formulário padronizará o atendimento à vítima de violência doméstica. A aplicação efetiva do formulário e a ação coordenada dos órgãos de atendimento à mulher no uso das informações obtidas se fazem necessárias para que tenhamos um espaço onde a mulher pode contar a sua história e receber o devido amparo”, afirmou.

Metodologia


O questionário toma por base a experiência de países como Portugal, Austrália, Canadá, Reino Unido e Estados Unidos e foi concebido por meio de parcerias entre importantes instituições atuantes no enfrentamento à violência contra a mulher, contando com o apoio técnico da União Europeia e do Ministério Público. São ao todo 19 perguntas objetivas e 10 abertas. Após as respostas, será possível determinar o grau de gravidade de risco e avaliar as condições físicas e emocionais da mulher.


A proposta, de autoria da deputada Elcione Barbalho (MDB-PA), insere a obrigatoriedade de aplicação do formulário na Lei Maria da Penha (Lei 11.340). O Formulário já foi aprovado inclusive em ato normativo conjunto do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), cujo objetivo é mensurar o potencial de agravamento da violência doméstica.


Com informações da Assessoria - Leila Barros

14 visualizações0 comentário