• psb40df

Em ato de filiação de Sergio Moro, homem joga moeda no ex-juiz e o chama de traidor


(Imagem: Socialismo Criativo)

Sergio Moro enfrentou uma saia justa no seu ato de filiação no Podemos, nesta quarta-feira, em Brasília. Um homem que estava presente na plateia jogou uma moeda no palco e chamou Moro de “traidor”. Ele foi retirado do local após o ocorrido.


O episódio aconteceu depois que o ex-juiz da Lava-Jato terminou seu discurso, que durou mais de meia hora. Naquele momento, Moro posava para fotos ao lado de senadores e deputados federais do Podemos. Moro chegou a olhar para moeda, mas reagiu com indiferença. Vídeos sobre o ocorrido estão circulando no Twitter.


Em sua fala, o ex-ministro da Justiça não citou os nomes de Lula e Bolsonaro, mas fez críticas a ambos os líderes que hoje despontam como seus adversários da disputa pelo Palácio do Planalto.

Próximo passo

Com sua filiação no Podemos, Sergio Moro já tem engatilhado o próximo passo da sua vida como político. O ex-juiz está em intensas conversas para construir um plano de governo que vá além do combate à corrupção. A ideia é que o plano seja elaborado por nomes de peso e foque, em especial, uma área econômica, com proposta para recuperação do país.


Moro tem sido orientado a ir além das pautas que o conhecido nacionalmente e já disse a interlocutores que sabe que esse será um dos principais desafios de sua corrida pelo Palácio do Planalto.


Segundo a coluna de Bela Megale, do jornal O Globo, o próprio Moro tem procurado nomes que gostaria que colaborassem com sua campanha. Após o ato de filiação, o ex-juiz terá encontros com representantes do agronegócio e do mercado financeiro.


Leia também: Eleições 2022: Ciro lança candidatura antes do período eleitoral; Pacheco e Moro definem filiações

De olho nas eleições

Com o pensamento voltado para uma possível candidatura à presidência ou ao senado em 2022, o ex-juiz Sergio Moro, considerado parcial e suspeito pelo Supremo Tribunal Federal (STF) nas ações contra o ex-presidente Lula, rescindiu seu contrato com a Alvarez & Marsal. O documento foi assinado neste sábado (30).


O vínculo entre o ex-ministro de Bolsonaro e a empresa estadunidense era, inicialmente, de dois anos, ou seja, deveria terminar somente no dia 31 de outubro de 2022.


Porém, a decisão de Moro em se candidatar provocou a rescisão antecipada, de acordo com informações do blog de Lauro Jardim, em O Globo.


Com informações do jornal O Globo

1 visualização0 comentário