Bolsonaro recusou vacina a 50% do valor pago por EUA e União Europeia


(Imagem: Ruan Souza / Semcom Manaus)

Por Mariane Del Rei, Socialismo Criativo


O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) recusou vacina da Pfizer no ano passado à metade do preço pago por Estados Unidos, Reino Unido e União Europeia. Consideradas caras em agosto de 2020 pelo então ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, até 70 milhões de doses da Pfizer poderiam ter sido entregues a partir de dezembro por US$ 10 cada. A vacinação antecipada teria evitado mortes e os prejuízos bilionários provocados pelo fechamento da economia.


Com um Produto Interno Bruto (PIB) total de R$ 7,4 trilhões em 2020, os R$ 30 bilhões agora previstos pelo Ministério da Saúde para a vacinação brasileira correspondem a um dia e meio de um hipotético lockdown nacional —desconsiderando domingos e feriados. O valor equivale a 10% do auxílio emergencial pago em 2020 e é menos do que os R$ 44 bilhões previstos neste ano para compensar o fechamento da economia.


EUA e Reino Unido já imunizaram cerca de 40% da população com duas doses das várias vacinas adquiridas e têm economias funcionando quase livremente. Ambos pagaram cerca de US$ 20 pelas doses da Pfizer, o dobro do valor recusado pelo Brasil durante vários meses em 2020. Na União Europeia, as doses do laboratório norte-americano custaram US$ 18,60.

Falta de vacina trava economia

No Brasil, com o atraso nos contratos, as primeiras doses da Pfizer chegaram só em abril. Oito meses se passaram entre a primeira oferta e a entrega. O vice-presidente da CPI da Pandemia, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), contabilizou 53 emails enviados pela Pfizer ao governo a partir de agosto cobrando resposta sobre a oferta das 70 milhões de doses.


À CPI da Pandemia no Senado, Pazuello qualificou a proposta da Pfizer como “agressiva”, apontou entraves em cláusulas do contrato e disse ter considerado muito elevado o preço de US$ 10 por dose — valor acatado meses depois ainda na gestão de Pazuello. Antes das doses da Pfizer, a imunização ocorria com vacinas do Butantan e da AstraZeneca, mas em quantidades baixas. A vacinação brasileira com duas doses limita-se a 11% da população.


Na economia, isso trava principalmente o setor de serviços, responsável por 70% do PIB e dos empregos. Nos serviços atuam sobretudo os mais pobres e menos escolarizados, que dependem do trabalho fora de casa para obter renda. Sem vacina, a ocupação desses trabalhadores caiu até 20% na pandemia, aumentando a desigualdade e a pobreza extrema a níveis de 15 anos atrás. O colapso nos serviços levou a série histórica de desemprego do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) a um recorde: 14,7%, com 14,8 milhões de desocupados.

Brasil perdeu ‘chance de ouro’ na compra de vacina

O Ministério da Saúde diz ter destinado R$ 30 bilhões para a contratação de mais de 660 milhões de doses de vacinas contra a covid-19 —considerando no cálculo unidades que ainda não encomendou de fato. Em dólares, portanto, o país está reservando cerca de US$ 9, em média, por dose.


De um modo geral, na comparação internacional feita pelo jornal Folha de S. Paulo com base nas informações disponíveis, o Brasil está pagando preços compatíveis com a maior parte dos países. A grande vantagem a favor do Brasil se dá justamente com o imunizante da Pfizer —o primeiro a ter sido oferecido (e ignorado) ao governo Bolsonaro.


Para Paulo Lotufo, epidemiologista e professor da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), o Brasil perdeu “uma chance de ouro de emplacar logo com a Pfizer a preços convenientes”.


“A Pfizer percebeu que estaria na frente [na corrida das vacinas], mas precisaria muito do Brasil porque seria um local de aplicação imediata, uma vitrine maior do que Israel acabou sendo, com a vantagem de o SUS ser bom pagador e único no país”. Paulo Lotufo

Custo-benefício na compra de vacinas

“Qualquer que fosse o preço da vacina oferecida ao Brasil, valeria a pena. Seja pelo impacto em vidas, pelas colossais perdas de uma economia fechada ou o custo de R$ 1.500 ao dia de um paciente internado em uma UTI covid”, diz Eder Gatti, infectologista especialista em imunização.


Segundo Gatti, nos últimos anos o Ministério da Saúde deixou de realizar estudos para aferir o custo-benefício na compra de vacinas, a exemplo do que fez em 2006 para adquirir imunizantes contra o rotavírus —causador da DDA (doença diarreica aguda) e da gastroenterite aguda. Gatti diz que o Reino Unido, por exemplo, tem quase obsessão com esse tipo de cálculo.


Leia também: CPI da covid no Senado convoca Ibaneis Rocha


Segundo Martin Weale, economista no King’s College, em Londres, a economia potencial com o fato de o Reino Unido ter acelerado seu programa de compra de doses e a vacinação pode ser estimada em cerca de 300 bilhões de libras (R$ 2,1 trilhões) ao ano, já descontado o gasto com todo o processo de imunização.


O total leva em conta não só a perda potencial de 220 bilhões de libras (R$ 1,6 trilhão) em termos de PIB causada pelo abre e fecha da economia, mas as vidas e gastos adicionais poupados pelos sistemas de saúde e educação. Para acelerar a vacinação, o Reino Unido pagou US$ 37 por dose da Moderna, embora tenha limitado essa compra a 17 milhões de unidades.

Vacina custa menos que perda na economia

Para Benedic Ippolito, pesquisador especializado em preços de medicamentos no American Enterprise Institute, em Washington, “o custo das vacinas é muito pequeno em relação ao potencial contrafactual [o estrago econômico causado por lockdowns]”. “É como dar de ombros e dizer: ‘OK, esse preço pode estar alto. Mas essa é uma pandemia única e podemos lidar com a questão dos valores depois’.”


Israel informou ter pago há muitos meses US$ 23,50, em média, por imunizantes da Pfizer e da Moderna e já vacinou cerca de 60% da população com duas doses. Os israelenses estimam que o investimento nas vacinas equivale às perdas potenciais de dois dias de lockdown.


Em 2021, as vendas de vacinas e medicamentos para a covid-19 devem acrescentar receitas de US$ 70 bilhões aos laboratórios globais, segundo a consultoria norte-americana Morningstar. Especialistas consideram irrisório o valor levando em conta as perdas potenciais de uma epidemia sem controle. Normalmente, as farmacêuticas já faturam US$ 60 bilhões ao ano com vacinas.


Embora os laboratórios tenham procurado manter sob sigilo valores pagos por governos pelos imunizantes, muitos preços “vazaram” via autoridades de países compradores ou em declarações de executivos das farmacêuticas.

Países mostram preços de vacinas

Na União Europeia, parte dos valores foi divulgada em dezembro em um tuíte que depois foi apagado da secretária de Orçamento e Proteção ao Consumidor da Bélgica, Eva De Bleeker.


O ex-primeiro-ministro búlgaro Boiko Borisov também tornou públicos alguns preços pagos pelos 27 países do bloco, assim como o jornal espanhol La Vanguardia, que revelou contrato com o valor de US$ 18,60 por dose da vacina da Pfizer.


Leia também: Artigo: 500 mil mortes por falta de duas doses de respeito


Nos EUA, em conferência com o Bank of America, foi o próprio CFO da Pfizer, Frank D’Amelio, quem abriu o valor de US$ 19,50 por dose cobrado dos americanos. Ele citou o preço comparando-o ao que seria o adequado “em tempos normais” —US$ 150 a US$ 175 a dose, segundo ele.


Nos EUA, as farmacêuticas cobram entre US$ 17 e US$ 26 por dose de vacinas anuais contra a gripe, segundo o Centro de Controle e Prevenção de Doenças.

Pfizer trabalha com ‘preços diferenciados’

Questionada, a Pfizer no Brasil diz que trabalha com “abordagem de preços diferenciados” para garantir que países tenham acesso ao imunizante. A farmacêutica diz manter o mesmo posicionamento desde as primeiras negociações. “Aqueles com menor capacidade de pagar pela vacina pagarão um preço mais baixo, de acordo com os recursos de seu governo, enquanto os que podem pagar mais deverão fazê-lo”.


Entre todos os imunizantes aplicados no mundo, o da AstraZeneca, produzido no Brasil pela Fiocruz, é, de longe, o mais barato, com preços entre US$ 2,15 e US$ 4 por dose. No Brasil, o valor é de US$ 3,16. Desde o início, a AstraZeneca disse não visar lucro na fabricação e comercialização da vacina desenvolvida em parceria com a Universidade de Oxford.


Apesar da recusa inicial do governo Bolsonaro em relação à Pfizer, o Ministério da Saúde prevê a compra neste ano de praticamente a mesma quantidade de doses do laboratório americano e da AstraZeneca (200 milhões e 210,4 milhões, respectivamente).


As quantidades e os preços adquiridos pelo Brasil foram obtidos em contratos públicos do Ministério da Saúde e declarações de autoridades na CPI da Pandemia. Parte dos valores também foi divulgada pelos fornecedores —como da Fiocruz— ou obtidos por meio de outros documentos da pasta.


Com informações da Folha de S. Paulo

1 visualização0 comentário