• psb40df

Bancos privados somam R$ 17,8 bilhões enquanto lucro do Banco do Brasil derrete


(Imagem: Socialismo Criativo)

Por Plinio Teodoro

O Banco do Brasil vem perdendo espaço, enquanto as cifras que registram o lucro dos bancos privados mostram que, cada vez mais, Paulo Guedes, ministro da Economia do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), vem consolidando sua política da transferência de recursos quando o assunto é sistema financeiro.


Juntos, Bradesco, Itaú e Santander acumularam lucro líquido de R$ 17,886 bilhões, uma alta anual de 28,5%, no terceiro trimestre deste ano.


Enquanto isso, o Banco do Brasil, um dos alvos da política de privatizações do governo Bolsonaro, vem vendo os lucros serem reduzidos.


O lucro da BB Seguridade foi de R$ 975,8 milhões no terceiro trimestre, uma queda de 11% frente ao mesmo período do ano passado, quando o país estava em plena pandemia.

No acumulado de nove meses, o lucro alcança R$ 2,7 bilhões, o que representa um recuo de 8,6% ante igual intervalo de 2020.


Leia também: Economia do país desaba, mas lucro líquido do Itaú cresce 34,9% no trimestre


A BB Seguridade atua justamente no ramo onde o Bradesco tem a maior participação e que teve forte recuperação após o início da retomada econômica diante da vacinação contra o coronavírus.


No início de outubro, o Bradesco fechou a compra de 49,99% da participação do Banco do Brasil no banco Digio e passou a controlar 100% o capital social do banco digital.

O Digio, que era controlado pelo BB até então, tem uma carteira da ordem de R$ 2,5 bilhões, com aproximadamente dois milhões de cartões de crédito.

1 visualização0 comentário