• psb40df

Alerta: OPAS avisa que situação da covid-19 na América Latina ainda preocupa


(Imagem: Socialismo Criativo)

A América Latina continua vivendo um momento preocupante da pandemia de covid-19, afirmou a diretora da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), Carissa Etienne. Segundo ela, “as infecções por coronavírus estão aumentando em alguns países da América Latina e o ritmo da vacinação não é o que pretendíamos”, disse em entrevista coletiva virtual.


De acordo com a autoridade, embora as pessoas estejam cansadas da pandemia, que superou a marca de 5 milhões de mortes em todo o mundo, sendo a América Latina responsável por um terço delas – cerca de 1,5 milhão de óbitos e mais de 46 milhões de contágios -, a situação “ainda não acabou e este não é o momento de relaxar as medidas”.

Carissa Etienne disse ainda que a persistência da baixa cobertura de vacinação em alguns países, combinada com a falta de medidas sanitárias, pode levar ao aparecimento de novas variantes do coronavírus.


Leia também: Qual é a importância do 5G no cenário político da América Latina?

América Latina não tem esse luxo

“No Caribe, estamos assistindo a um aumento da relutância em se vacinar. Não temos esse luxo”, lamentou. Como resultado, citou que existe a possibilidade de surgir na região uma estirpe endêmica do coronavírus.


Também advertiu que a região deveria estar “muito emais à frente” no ritmo da vacinação contra covid-19 do que está agora. “Isto se o acesso às vacinas tivesse sido maior e a população estivesse ainda mais empenhada”, analisou.


Ela insistiu, na mesma linha, para que a população e os países não relaxem as medidas preventivas de saúde, como “usar máscaras, manter uma distância física, lavar as mãos frequentemente, manter medidas de saúde pública”.


Além disso, frisou que a responsabilidade individual deve ser assumida para evitar o aumento do número de mortes e hospitalizações.

Imunidade comunitária está longe

O vice-diretor da OPAS, Jarbas Barbosa,, disse que a esperança de alcançar a imunidade comunitária é improvável porque essa meta só foi alcançada com doenças bem conhecidas.

“Para a covid-19 temos vacinas diferentes, temos variantes diferentes, não se pode aplicar o conceito de imunidade de rebanho para qualquer percentagem de vacinação”, explicou.


Contudo, ressaltou a importância de continuar a vacinar para alcançar o maior número possível de grupos e buscar o desenvolvimento de anticorpos, além de inovar em vacinas com aplicação nasal.


Com informações do UOL

1 visualização0 comentário